Você já parou para observar que a Ambev possui uma loja virtual que, embora seja focada em bares e restaurantes, permite que qualquer pessoa física compre cerveja e outros produtos diretamente? Já notou que os controladores da companhia também controlam a Americanas.com, que, por sua vez, controla a B2W, gigante do setor de e-commerce?Você acredita que, ao longo dos próximos anos, os grandes fornecedores dos supermercados vão permanecer operando segundo o modelo de receita e os canais de venda atuais?

Penso que, assim como massacraram os antigos distribuidores regionais, essas corporações vão agora roubar mercado dos varejistas. A internet ainda vai mudar completamente a relação de consumo que existe hoje. E, na esteira dessa mudança, a Ambev e suas concorrentes buscarão estabelecer vínculos muito mais diretos e pessoalizados com os consumidores, passando por cima dos supermercados.

O presidente da AGAS, Antônio Cesa Longo, entende que a confiança é a baliza da relação entre supermercado e fornecedor, e demonstra estar atento às mudanças. O supermercadista precisa se reinventar a cada dia, disse Longo. O consumidor seguirá sendo o fiel da balança, completou. De fato, o consumidor tem a última palavra no processo de compra. A questão que se apresenta é se essa palavra vai continuar sendo dada dentro do supermercado.

Igor Oliveira é sócio-fundador da Semente.

Publicado originalmente no jornal Zero Hora em 26 de fevereiro  de 2016